31/03/2020 às 08h33min - Atualizada em 31/03/2020 às 08h33min

Justiça determina que Governo de RO mantenha medidas de restrição e isolamento

A Justiça determinou que o Governo de Rondônia mantenha as medidas de restrição e isolamento, definidos no decreto de calamidade pública até que o Estado e os municípios tenham kits para exames de detecção do novo coronavírus, equipamentos de proteção individual, além de estruturação e coordenação das redes de saúde de baixa, média e alta complexidade.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira (30) após o Ministério Público Estadual (MP-RO) promover uma Ação Civil Pública contra o Estado e o governador Marcos Rocha, em sede de tutela provisória de urgência.

O MP também pediu a suspensão de itens do decreto que foram modificados como forma de flexibilizar as regras de isolamento social orientadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde.

 
Justiça decretou que Estado de Rondônia não dê fim ao isolamento social. — Foto: Divulgação

Justiça decretou que Estado de Rondônia não dê fim ao isolamento social. — Foto: Divulgação

Justiça decretou que Estado de Rondônia não dê fim ao isolamento social. — Foto: Divulgação

Justiça decretou que Estado de Rondônia não dê fim ao isolamento social. — Foto: Divulgação

Justiça decretou que Estado de Rondônia não dê fim ao isolamento social. — Foto: Divulgação

No documento enviado ao Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), o Ministério Público relata que as medidas necessárias vinham sendo aplicadas no estado. No entanto, a campanha feita pelo presidente Jair Bolsonaro, que "tem como mote a reabertura das escolas e comércios, com implementação do isolamento vertical e não horizontal" encontrou acolhimento em Rondônia.

Também é citado que no estado há uma "tendência de flexibilização" e que já chegou a ocorrer, com a reabertura de parte do comércio.

A tutela terá vigência até que o Estado e o governador Marcos Rocha apresentem as informações solicitadas. Após isso, a determinação pode ser mantida ou revogada.  Com informações do TJ.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »