05/06/2018 às 11h24min - Atualizada em 05/06/2018 às 11h24min

O QUE FALTA MAIS? CORONEL É O PC FARIAS DE TEMER

Avanço das investigações da Polícia Federal (PF) nas últimas semanas deixa claro que o coronel aposentado da PM João Baptista Lima é o PC Farias de Michel Temer. Da mesma forma que o famoso tesoureiro de Fernando Collor de Mello mais de 25 anos atrás, o tesoureiro de Temer arrecada dinheiro durante campanhas eleitorais e fora delas, gere diversas despesas da família presidencial e é "laranja": tem dinheiro e propriedades de Temer em seu nome. No último mês de investigações os valores mensurados no esquema Temer/coronel mais que decuplicaram: saltaram de R$ 2 milhões para R$ 23,6 milhões. Um quarto de século atrás, com muito menos provas que agora, Collor foi cassado. As últimas descobertas são avassaladoras: 1. Temer mentiu em declarações à PF, ao afirmar que o coronel-tesoureiro não arrecadava dinheiro para suas campanhas eleitorais. O empresário e sócio do grupo Libra, Gonçalo Torrealba, confirmou os insistentes pedidos de Lima para arrancar propinas destinados a Temer (aqui). 2. O coronel intermediava as relações entre Temer e o Grupo Libra, atuando como "garoto de recados", como ficou comprovado com a quebra do sigilo do celular de Batista. Pouco depois de conversas pelo whatsapp, aconteceram reuniões entre Temer e sócios do Libra -lodo depois do golpe, Temer renovou a concessão por vinte anos do grupo Libra (aqui). 3. O coronel-PC Farias tem pelo menos R$ 23,6 milhões em contas pessoais e de empresas em seu nome. O valor é estrondoso e é apenas o que foi descoberto até agora. A soma milionária contrasta com o depoimento à  PF de um contador do coronel, Almir Martins, disse só se recordar do faturamento líquido da Argeplan (a empresa até agora mais em evidência), que seria em torno de R$ 100 mil a R$ 200 mil anuais. 4. Reformas nas casas de Maristela Temer, filha de Michel foram pagas pelo coronel, sua mulher e uma de suas empresas. O próprio Temer encarregou o coronel de cuidar do assunto, em 2014 (aqui). Para que se tenha uma ideia da evolução do caso, até o início de maio, os valores mensurados no esquema de Temer/coronel Batista não passavam de R$ 2 milhões. Em menos de um mês, a soma já está multiplicada por mais de dez. (Brasil 247)
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »