16/11/2020 às 17h06min - Atualizada em 16/11/2020 às 17h06min

A baixa transferência de votos pelos políticos em Rondônia

Mirian Franco
Após a realidade mostrada por mais de noventa mil pessoas que se recusaram a ir às urnas em Porto Velho (RO), somadas com mais cerca de vinte mil entre votos brancos e nulos, o recado nas urnas ficou ainda com a baixa transferência de votos pelos políticos com e sem mandatos.
Jaqueline Cassol (PP) apresentou a candidata Cristiane Lopes do seu partido, que concorreu à prefeitura da capital e que obteve o apoio na arrancada final do deputado Léo Moraes (Podemos), conseguindo atingir o segundo lugar no pleito, com 14,32% dos votos. Vai disputar o segundo turno com Hildon Chaves do PSDB no próximo dia 29, que fechou a conta com 34,01% dos votos, tendo como vice Maurício Carvalho, irmão da deputada Mariana Carvalho (PSDB).
O candidato oficial do Palácio Rio Madeira à prefeitura da capital, Breno Mendes (Avante), obteve o quarto lugar na votação, com 11,50%, apesar do empenho do governador Marcos Rocha (PSL) que abraçou a campanha e pediu votos pelas redes sociais.
O candidato Dabson Martins (MDB), apadrinhado pelo senador Confúcio Moura e pelo deputado federal Lúcio Mosquini, ambos do partido, conseguiu angariar apenas 603 votos e não atingiu votação para chegar à vereança, apesar do pedido de votos pelos dois parlamentares.
Ainda na capital, a candidata a vereadora Clotilde Brito (PSB), com a declaração de conhecer o deputado Mauro Nazif (PSB) a mais de 20 anos, conseguiu 86 votos, apesar do pedido do deputado amigo. 
Primo do deputado Expedito Neto (PSD), Raí Ferreira, do mesmo partido, teve votação satisfatória e alcançou uma cadeira na Câmara Municipal de Porto Velho, com 1767 votos.
Em Guajará-Mirim, o candidato Caçador (PSL) irmão e apadrinhado do deputado federal coronel Chrisóstomo, do mesmo partido, alcançou o quinto lugar na disputa à prefeitura, atingindo apenas 905 votos, contra 4575 votos da eleita, Raissa Bento (MDB).   
A deputada Silvia Cristina (PDT) pediu votos para o candidato consagrado em Rolim de Moura, Aldo Júlio (MDB), que obteve 36,36% dos votos. A abstenção naquela cidade ultrapassou os 30%. Em sua base eleitoral, Ji-Paraná, o candidato do PDT, Julian Cuadal ficou em quarto lugar na eleição para a prefeitura. 
Em Vilhena, a família Donadon não conseguiu eleger a ex-prefeita Rosani Donadon, da coligação MDB, DEM, PMN, apesar da irmã, Rosangela Donadon, deputada estadual pelo PDT, e dos irmãos Melki e Marcos, políticos antigos na região.  Ela ficou em segundo lugar, com 33,47% dos votos, perdendo para Eduardo Japonês, do PV, que obteve 40,29% dos votos.
Vereador e prefeito por dois mandatos em Candeias do Jamari, além de mais dois mandatos como deputado federal, Lindomar Garçom (Republicanos) angariou 5,49% dos votos para prefeito na capital, ficando em sexto lugar na eleição, mesmo tendo virado “meme” após utilizar sua figura como papagaio de pirata em toda a votação na câmara federal durante o impeachment de Dilma Rousseff em 2016.

Mirian Franco é jornalista e formada em História

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »