21/01/2021 às 12h42min - Atualizada em 21/01/2021 às 12h42min

Exclusivo: Cone Sul registra 139 mortes por Covid-19

Ettiene Angelim

(Por Ettiene Angelim). Desde o início da pandemia de coronavírus, as sete cidades que compõem o Cone Sul de Rondônia registraram 139 mortes por Covid-19. A informação é da  Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulgada nesta quarta-feira (20). Os dados tabulados pelo Mídia Rondônia revelam que a taxa de mortalidade na região é de 86 mortes por cem mil habitantes, menor do que a média do Estado de Rondônia, cuja taxa de mortalidade é de 114. Rondônia registra um total de 2.056 mortos pela doença.



Maior cidade da região, Vilhena concentra também o maior número de vítimas fatais do coronavírus (96 mortes), seguida pelas cidades de Cerejeiras (12), Cabixi (9), Chupinguaia (8), Pimenteiras do Oeste (6), Colorado do Oeste (5) e Corumbiara (3). Apesar do grande número de mortos, Vilhena também se mantém abaixo da taxa de mortalidade registrada pelo Estado. Por outro lado, o pequeno município de Pimenteira do Oeste, com uma população estimada em 2140 habitantes, apresenta taxa de 279 mortes.

A taxa e mortalidade é encontrada em proporção entre o número de mortes causadas por uma doença e o número de habitantes (no caso, a cada 100 mil). A taxa de letalidade, comumente divulgada pelos gestores em saúde, é a proporção entre o número de mortes e o número total de infectados (melhor utilizado quando há informação real sobre o número de casos).

A tabulação de dados feita pelo Mídia Rondônia adota o índice de mortalidade, considerando três fatores: as autoridades em saúde são incapazes de afirmar qual o número real de sub-notificações e de pessoas infectadas no Brasil; alguns testes apresentam elevada margem de erros; e os números apresentados pelos gestores do país divergem dos números apresentados por muitas prefeituras, revelando a desatualização dos dados. 

Para chegar à taxa de letalidade, as autoridades em saúde calculam a proporção  entre o número de mortes por uma doença e o número total de doentes. Entretanto, no caso da pandemia de coronavírus, ainda não é possível afirmar qual a quantidade real de pessoas infectadas. Além das sub-notificações por erro ou falta de testes, existe ainda uma quantidade não calculada de assintomáticos, que não entram nas estatísticas como suspeitos nem como monitorados pelos agentes de vigilância epidemiológica.



 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »