10/07/2020 às 09h44min - Atualizada em 10/07/2020 às 09h44min

Em gravações da PF, Jean de Oliveira teria cogitado mandar matar procurador do Estado

(Da Folha de São Paulo)  - A Polícia Federal informa que Jean Oliveira, deputado estadual e presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Rondônia, faz parte de uma quadrilha que tentou grilar 64,6 mil hectares dentro de uma unidade de conservação estadual.

O caso teria sido descoberto em investigações da Polícia Federal e do Ministério Público do Estado de Rondônia, revelada pelo jornal Folha de S.Paulo

 

O objetivo era usar a área para gerar créditos de desmatamento, que seriam vendidos para proprietários rurais do estado quem fazem desflorestamento ilegal sem suas terras e precisam regularizar. Do tamanho do município de Belo Horizonte, a área grilada está localizada na Reserva Extrativista Rio Pacaás Novos, em Guajará-Mirim, a 330 km da capital Porto Velho.

Segundo a PF, o esquema chegava a fazer anúncios no site de vendas OLX. A PF encontrou um em que 34,6 mil hectares eram oferecidos por R$ 51,9 milhões como “área de compensação de reserva legal”. 

O relatório da PF revela ainda que o grupo cogitou matar o procurador do Estado Matheus Carvalho Dantas, responsável por emitir pareceres ambientais no âmbito na Procuradoria-Geral do Estado, por ter se recusado a avalizar a grilagem.

 

Em conversas gravadas pela investigação, o pecuarista Alexsandro Aparecido Zarelli, apontado pela PF como o líder da quadrilha, sugere matar Dantas.“Passar fogo?”, pergunta o deputado. “Mandar o Mateus pro inferno”, afirma Zarelli. “Vamos atacar ele, ué. Por que cê não falou”, diz Oliveira.

A assessoria do deputado respondeu ao jornal que o parlamentar “tem a consciência tranquila, porque seus atos sempre foram pautados pela legalidade”.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »